O que saber antes de comprar um chuveiro elétrico

Atividades

gallery/clique-aqui
gallery/clique-aqui
gallery/clique-aqui
gallery/clique-aqui
gallery/eletricista - divulgação
gallery/fabrica gm rio
gallery/blog foto 3
gallery/prensa

Instalação elétrica residencial

Montagem de padrão eletropaulo

Reforma de instalações antigas

Projeto de elétrica NBR 5410

Pequenos reparos de eletricidade

Instalação nova com projetos

Implantação de iluminação LED

Implantação de controladores

Projetos de automação residencial

Soluções para máquinas CNC

Implantação de células de produção

Projetos de plantas Industriais

Automação de máquinas

Modificação e alteração de Lay-out

Instalação de quadros de comando

Manutenção em painéis com clp

Reforma de painéis de máquinas

Troca de quadros de distribuição

Montagem de painéis elétricos

Projetos para automação 

Modificações em painéis elétricos

Modificação em lay-out de fábrica

Reforma de máquinas operatrizes

Montagem de dispositivos hidráulico

Montagem de ferramentas pneumáticas

Reforma de unidades hidráulicas

Retrofiting em máquinas CNC

Implantação de CLP em máquinas

ELÉTRICA

AUTOMAÇÃO

QUADROS

REFORMAS

Dois fatores vão influenciar o banho quente: a vazão de água e a potência do chuveiro. A vazão é a quantidade de líquido que sai pelos buraquinhos da ducha. "Quanto maior a vazão, mais fria a água", a mesma quantidade de calor vai ter que aquecer uma quantidade maior de líquido.

 

E qual a quantidade de calor? Isso é determinado pela potência da resistência do chuveiro, medida em quilowatts. Na verdade, todas as duchas têm a capacidade de elevar a temperatura da água uma quantidade máxima de graus, ou seja, se a água vem mais fria, sai mais fria, e se chega mais quente, também sai mais quente.

Por exemplo, se o equipamento sobe a temperatura em 30 graus Celsius e a água entrar a 10°C, o banho será a 40°C. Já se a água estiver a 20°C, atingirá 50°C.

 

Por isso os chuveiros têm a opção de inverno/verão ou quente/morno.

No verão ou morno, apenas uma parte da potência do chuveiro é usada,

para que o aquecimento seja adequado. 

Importante: O número de graus que a ducha pode elevar a água está

discriminado na embalagem, e na hora da compra é a forma mais fácil

de optar entre um e outro modelo. Mas vale lembrar que, você tem que

perceber que a potência do chuveiro pode influir em muito na troca dos

fios e disjuntores de sua casa. 

Teoricamente, não haveria diferença entre um chuveiro 220V ou 127V,

mas, na prática, o chuveiro 220V esquenta um pouco mais.

"O corpo humano é muito sensível a essas pequenas alterações de

temperatura da água, então conseguir que ela saia 1°C ou 2°C mais

quente, já faz toda a diferença", vale à pena ter a ducha de maior

tensão (220V).

 

A rede elétrica necessária para receber o equipamento 220V ou 127V também tem diferenças. Com menor Tensão (127V), mantendo-se a potência, é preciso que a fiação seja com a bitola superior pois a quantidade de corrente elétrica que passa pelos fios será bem maior. Por exemplo, para uma ducha de 6400W, os fios devem ter 10 milímetros na rede 127V, enquanto que na rede 220V bastam 6 mm².

Por que "a chave cai"?

E sabe quando no meio do banho o chuveiro desliga porque caiu o disjuntor quando alguém ligou o micro-ondas ou o aquecedor na sala? Culpa da fiação, que não está preparada para um consumo tão grande de energia ao mesmo tempo.

Para conferir para qual consumo a fiação do imóvel está preparada? A dica é olhar na caixa de luz o valor que está marcado no disjuntor. O mínimo necessário na rede 220V é 25 amperes, enquanto para a 127V esse número é 40 A - no exemplo do equipamento de 6400W, o mínimo seria disjuntor de 50 A.

 

Consulte sempre um técnico eletricista, com a correta fiação e o disjuntor adequado, é possível ter um chuveiro 220V mesmo que o resto da casa seja 127V. Para isso, faz-se uma ligação bifásica, que permite a distribuição da corrente.

Com tudo adequado, o morador pode trocar sozinho seu chuveiro - sem precisar recorrer a especialistas. A dica aqui é seguir corretamente as instruções de instalação - por exemplo: desligue os disjuntores do chuveiro, caso não saiba desligue todos, puxe ao menos sete centímetros de fio para fora da parede, enrolar bem as duas pontas para que não haja interrupções na passagem de energia, use um alicate para ter uma emenda firme, caso contrário você terá aquecimento na emenda, e isolar com fita a junção de fios. É interessante também usar o conector cerâmico, que substitui a tomada na parede e garante a segurança da instalação.

 

Pressão da água 

Segundo o engenheiro civil José Roberto Scarpetta Alves, a pressão da água depende da altura da caixa d'água. Ou seja, quanto mais alta estiver a caixa, maior a pressão. Para quem está debaixo do chuveiro, a diferença na verdade é na vazão, diretamente proporcional à pressão. Quanto maior a diferença de altura entre a ducha e a caixa d'água, maior a vazão.

Redutor de pressão

"Do oitavo andar para baixo, costuma-se usar o redutor de pressão, uma peça que vai na entrada do cano e faz com que menos água entre no chuveiro", com menos água para ser aquecida, mais quente ela sai para quem está tomando o banho. Mas o engenheiro ressalta que não se deve usar o redutor em alturas menores do que três pavimentos, pois a quantidade de água acaba sendo muito pequena e causa superaquecimento no chuveiro e na rede elétrica.

Em imóveis onde a pressão da água é muito baixa ou quando o aquecedor está muito longe da ducha, pode-se usar um pressurizador. O equipamento elétrico permite ter mais vazão, e em casas com aquecedor, acelera a chegada da água quente do aquecedor até o banheiro. Uma alternativa ao pressurizador é aumentar a potência do aquecedor, mas o consumo de energia, nesse último caso, é mais alto.

Mitos e verdades 

O Chuveiro 220v gasta menos que os 127V?

Mito: Você sabia que usar chuveiro e aparelhos elétricos 220V ou 127V não faz diferença na conta de luz. Isso porque o medidor da casa, conta quantos quilowatts são consumidos por hora, a influência será somente na bitola dos fios e capacidade dos disjuntores, ou seja, o valor depende da potência em Watts.

Chuveiro de plástico derrete? 

Mito: não derrete mais. Antigamente existia essa possibilidade, pois o material dos conectores e componentes que fazem o chuveiro ligar quando entram em contato era de qualidade inferior. Eventualmente os conectores derretiam e ficavam grudados, ou seja, o chuveiro ficava ligado mesmo após o registro ser fechado. Sem água, a resistência poderia superaquecer e causar algum tipo de derretimento.

É melhor usar tomada em chuveiro?

Mito: Muitos usuários não encontram a tomada adequada para o chuveiro e tomada comuns não são preparadas para receber tanta corrente quanto é necessário para alimentar uma ducha - em números, o máximo que a tomada aguenta é 20 A, e a corrente de um chuveiro em geral é de ao menos 25 A. O que acontece é que a tomada fica sobrecarregada e acaba derretendo, o que pode levar até a um incêndio. E essa tomada nem pode ser protegida pelo disjuntor, porque o disjuntor só cai quando a corrente é maior do que deveria.

Chuveiro de metal pode matar? 

Verdade: Esse tipo de chuveiro já foi até apelidado de 'el matador', porque houve muitos casos de pessoas que morreram eletrocutadas por ele. Segundo o especialista, o problema é quando a resistência queima e se parte. Uma das extremidades pode encostar no corpo do chuveiro, e transferir para ele a eletricidade que recebe da fiação. Como o corpo é de metal, um material condutor, quem está tomando e encostar no chuveiro pode tomar um choque.

O melhor é não pentear os cabelos embaixo do chuveiro?

Verdade: Claro, se o cabelo estiver condicionado até dá certo, mas evite, pois em geral os fios quebram. E, quanto ao pente, escolha um de dentes médios ou largos e de madeira, pois ajudam a tirar a oleosidade dos fios. A dica vale para todos os tipos de cabelos

É perigoso tomar banho em chuveiros elétricos durante as tempestades?

Verdade: O chuveiro elétrico está ligado à rede elétrica que alimenta a residência e se um raio cair próximo ou sobre a mesma poderemos ter o aparecimento de "descargas elétricas" e a pessoa que está tomando banho pode tomar um choque elétrico.

É possível proteger casas e edificações contra raios?

Verdade:  A norma brasileira NBR 5419 - Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas - Jun/93, estabelece os critérios e procedimentos para a instalação de pára-raios em casas e edificações.

Um disjuntor antigo ou superdimensionado pode não desarmar quando ocorre um curto-circuito?

Verdade: Neste caso, poderá ocorrer um princípio de incêndio na edificação caso o fio não se partir ou a chave geral desarmar, fique atento.

Garrafas d´agua em cima da caixa do relógio economiza energia?

Mito: testes na PUCRS constatou que isso foi apenas uma crença popular no Rio Grande do Sul que manter garrafas de água próximas ao contador de energia faz comque o consumo indicado no instrumento seja menor do que o real.

É melhor passar todas as roupas de uma só vez?

Verdade: Grande parte do gasto energético de um ferro de passar roupas se dá no momento de aquecê-lo. Portanto, quando você passa um maior número de roupas de uma única vez, menos vezes você terá que aguardar o ferro esquentar, e menos energia será gasta no fim das contas.

Por que algumas lâmpadas Fluorescentes duram menos?

Verdade: As lâmpadas em geral para alcançar sua vida útil tem um intervalo de 2 horas e 45 minutos ligada e 15 minutos desligada, do lado prático, o que podemos dizer é que se você for se ausentar do ambiente mais do que 15 minutos, vale a pena desligar estas lâmpadas. se for menos deixe as ligadas.

chuveiro-eletrico